ratamento artroscópico da osteólise clavicular em atletas de alto nível

Publicado em: 5 de maio de 2020 por Dr. José Carlos Garcia Jr.
Categorias: Trabalhos Científicos - Ombro

Apresentado
Congresso Brasileiro de Ortopedia e Traumatologia
2008-Porto Alegre
Poster

Introdução
A artropatia acrômio-clavicular degenerativa é uma patologia comum mas a osteólise isolada não degenerativa da clavícula distal em atletas jovens é
uma patologia de menor prevalência.

A osteólise está presente principalmente em levantadores de peso e lutadores de lutas de contato.

Nosso objetivo é demostrar nossa técnica de tratamento cirúrgico para lesões desse tipo resistentes ao tratamento conservador continuado e seus
resultados.

Materiais e Métodos
De janeiro de 2006 a novembro de 2007 foram operadas 8 osteólises claviculares resistentes a o tratamento conservador com antiinflamatórios não hormonais, hormonais, fisioterapia e infiltrações.

Em todos foi realizada exérese da clavícula distal por artroscopia respeitando o limite máximo de retirada, os ligamentos córaco-claviculares para medial e o ligamento acrômio-clavicular superior na porção superior.

A cirurgia foi feita em posição de cadeira de praia.

Todos os pacientes são atletas de alto nível sendo 2 lutadores de vale-tudo, 2 levantadores de peso, 1 lutador de boxe, 1 Judoca, 1 lutador de Muay-Thay
e 1 lutador de boxe chinês.

Para a avaliação pré e pós-operatórias utilizamos os critérios da UCLA e critérios subjetivos com nota 10 para dor antes do ato cirúrgico a 0 indolor.

Todas as avaliações foram realizadas pelo mesmo ortopedista, pré e pós operatória e todas as cirurgias também realizadas pelo mesmo ortopedista.

Resultados
A média de idade foi de 29,12 anos variando de 21 a 45 anos, sendo os 8 do sexo masculino e, 7 dextros e 1 sinistro sendo 6 cirurgias do lado dominante e 2 não dominante. Na avaliação prévia de acordo com critérios da UCLA os pacientes tiveram médias 25,75(variando de 24 a 27). Na duodécima semana PO de acordo com critérios da UCLA os pacientes tiveram médias
34,87(variando de 34 a 35). Todos os pacientes apresentaram melhora da dor em análise subjetiva( nota média 10 dor pré operatória para 0,125 PO).

Todos voltaram às praticas desportivas em nível competitivo.

Uma peculiaridade dos resultados dessa cirurgia em atletas é a rapidez com a qual retornaram às suas atividades esportivas.

Na primeira semana Pós-operatório 6 dos 8 pacientes elevaram o membro operado além de 135 graus na segunda semana pós operatório apenas 1 paciente não elevou 180 graus. Com 4 semanas pós-operatório 6 dos 8 pacientes já haviam reiniciado suas práticas desportivas com alto nível de intensidade, os outros 2 reiniciaram com 6 semanas PO.

Discussão
Os resultados mostram expressiva melhora da dor dos pacientes após a exérese artroscópica da clavícula distal. Surpreendeu-nos a velocidade de recuperação e o grau de melhora da dor que a cirurgia apresenta para
essa patologia.

Devido ao exposto aqui cremos ser esse o tratamento de escolha para a osteólise clavicular resistente ao tratamento conservador em atletas.