Síndrome do Desfiladeiro Torácico

Publicado em: 4 de maio de 2020 por Dr. José Carlos Garcia Jr.
Categorias: Lesões Nervos

A patologia conhecida como síndrome do desfiladeiro torácico foi descrita por Peet em 1956 e é um nome geral dado para descrever os pacientes com sintomas neurovasculares relativos aos possíveis locais de compressão desse feixe.

A síndrome do desfiladeiro torácico ou compressão do plexo braquial e vasos próximos é subdiagnosticada e pode apresentar sintomas de gravidade variável.

Em 95% dos casos causa sintomatologia predominantemente neurológica e pode ter sua gênese nas seguintes estruturas: músculo escaleno, costela cervical, fascia de Sibson, clavícula(geralmente sequela de fraturas), compressão no espaço retrocoracopeitoral (ou síndrome do peitoral menor), síndrome do mediano (compressão da artéria axilar entre os feixes do plexo braquial), síndrome da arcada de Langer(compressão do feixe vasculonervoso pelo músculo anômalo axilo-peitoral), iatrogênico, traumático e posicional.

O exame físico detalhado associado à história e eletroneuromiografia são importantes para o diagnóstico.

Seu tratamento depende da estrutura envolvida na causa compressiva.
Na falha do tratamento conservador com medicações e fisioterapia a cirurgia pode estar indicada.

A técnica cirúrgica a ser escolhida depende exclusivamente da estrutura comprimida.

Com a retirada da causa da compressão os sintomas podem sumir definitivamente.

Em casos de compressão alta temos estudado a endoscopia robótica.

Esse procedimento está ainda em fase de pesquisa pelo nosso núcleo de estudo da sociedade internacional de microcirurgia robótica( www.rash-society.org) com núcleos em São Paulo e Estrsburgo-França.