Tratamento Cirúrgica das Fraturas Cominutas do Ùmero com Placas em Ponte; Uma Opção de Tratamento

Publicado em: 5 de maio de 2020 por Dr. José Carlos Garcia Jr.
Categorias: Trabalhos Científicos - Ombro

Trabalho apresentado no CBOT 2004

Objetivo
OS AUTORES DESCREVEM A TÉCNICA E OS RESULTADOS OBTIDOS DE PACIENTES ADULTOS COM FRATURAS COMINUTIVAS DO ÚMERO SUBMETIDOS À OSTEOSSÍNTESE COM PLACAS EM PONTE.


Material e Métodos
NO PERÍODO DE JANEIRO DE 2003 A JANEIRO DE 2004, FORAM AVALIADOS RETROSPECTIVAMENTE 06 PACIENTES PORTADORES DE FRATURA COMINUTIVA DO ÚMERO COM EXTENSÃO SUPRACONDILIANA, SENDO 01 (16,7%) DO SEXO FEMININO E 05 (83,3%) DO SEXO MASCULINO, SUBMETIDAS À TRATAMENTO CIRÚRGICO COM PLACAS EM PONTE. AS VIAS DE ACESSO UTILIZADAS FORAM UMA POSTERIOR DISTAL E UMA PROXIMAL. ATRAVÉS DA VIA DE ACESSO POSTERIOR O TRÍCEPS BRAQUIAL É ELEVADO SEM A SUA DESINSERÇÃO, SENDO ENTÃO IDENTIFICADAS AS COLUNAS MEDIAL E LATERAL DO ÚMERO. PROCEDE-SE ENTÃO, COM O ASSENTAMENTO DE 02 PLACAS DE RECONSTRUÇÃO 3.5 MM PRÉ-MOLDADAS SENDO UMA PÓSTERO-LATERAL E A OUTRA MEDIAL PELO MÉTODO EM PONTE, SEM A ABORDAGEM DO FOCO DE FRATURA. OS
PACIENTES FORAM TRATADOS NO PÓS-OPERATÓRIO COM MOBILIZAÇÃO PRECOCE E REAVALIADOS NO AMBULATÓRIO.


Resultados
TODAS AS FRATURAS CONSOLIDARAM COM PERÍODO MÉDIO DE 2,4 MESES, E A MÉDIA DO ARCO DE MOVIMENTO DE FLEXÃO E EXTENSÃO DO COTOVELO FOI DE 107,5 GRAUS. NÃO HOUVE ALTERAÇÃO NO ARCO DE PRONOSUPINAÇÃO. DOIS PACIENTES APRESENTARAM COMO COMPLICAÇÃO A NEUROPRAXIA TRANSITÓRIA DO ULNAR.


Conclusão
O TRATAMENTO DAS FRATURAS COMINUTIVAS DO ÚMERO COM PLACAS EM PONTE POR VIA POSTERIOR MOSTRARAM UM ALTO ÍNDICE DE CONSOLIDAÇÃO, BONS RESULTADOS FUNCIONAIS E MOSTROU SER MAIS UMA BOA ALTERNATIVA DE TRATAMENTO.