Tratamento cirúrgico da lesão do peitoral maior em fisiculturistas

Publicado em: 5 de maio de 2020 por Dr. José Carlos Garcia Jr.
Categorias: Trabalhos Científicos - Ombro

Apresentado
Congresso Brasileiro de Cirurgia de Ombro e Cotovelo
2014- Fortaleza-Brasil
Pôster
Congresso Latino-Americano de Cirurgia de Ombro e Cotovelo
2013-Natal/Brasil
Pôster
Congresso Brasileiro de Artroscopia e Traumatologia Desportiva
2011-Gramado-RS
Pôster

Tratamento cirúrgico da lesão do peitoral maior em fisiculturistas
Nos últimos anos a incidência das lesões musculares nos membros superiores tem aumentado, principalmente em esportes de alta demanda.
O uso de anabolizantes é apontado como uma outra possível causa.
A lesão do peitoral maior também tem apresentado aumento de sua prevalência.
Modificamos a técnica cirúrgica da reinserção do peitoral e criamos uma técnica para lesões grandes nas próprias fibras musculares.

Materiais e métodos
Foram realizadas 5 cirurgias para lesão do peitoral, todos pacientes fisiculturistas profissionais. Em 3 realizamos reinserção tendínea, em 2 desses casos utilizamos enxerto do semitendíneo, nos 2 casos restantes realizamos sutura muscular com pontos contínuos ancorados.
Pacientes foram avaliados no 6º mês após a cirurgia com UCLA.

Resultados
Todos os pacientes retornaram às suas atividades 6 meses após as cirurgias em nível competitivo.
O arco de movimento está normal e as deformidades estéticas foram resolvidas.
A média do UCLA dos pacientes foi de 35.

Discussão
Mesmo sendo a lesão do ventre muscular considerada por muitos irreparável, em atletas de fisiculturismo a fáscia do músculo está extremamente hipertrofiada possivelmente pela ação do hormônio de crescimento e temos obtido êxito em seu reparo nos 2 casos.
A técnica modificada para lesão tendínea aumenta a superfície biológica.

Conclusão
Nossos métodos para o tratamento da lesão do peitoral maior obtiveram sucesso, entretanto a cirurgia do ventre muscular tem função estética e necessita de uma fáscia hipertrofiada, está indicada em fisiculturistas por necessitarem de simetria para competição. A técnica de reiserção do tendão deve ser realizada por causas estéticas e força.