Tratamento da síndrome do pronador redondo em 5 pacientes técnica e resultados

Publicado em: 5 de maio de 2020 por Dr. José Carlos Garcia Jr.
Categorias: Trabalhos Científicos - Nervos Periféricos

Apresentado
Congresso brasileiro de ortopedia e traumatologia
2008-Porto Alegre-Brasil
pôster

Introdução
A patologia conhecida como síndrome do pronador redondo (SPR) é um nome geral dado a compressão do nervo mediano no nível do antebraço e cotovelo. Essa compressão pode ocorrer em três níveis: lacerto fibroso do bíceps, entre as cabeças umeral e ulnar do músculo pronador redondo e na
arcada dos flexores superficiais dos dedos. O exame de eletroneuromiografia muitas vezes não ajuda a elucidar essa síndrome compressiva, sendo o exame físico de vital importância para o diagnóstico. É estimado pela literatura que ocorra em cerca de 5% dos casos onde o diagnóstico é síndrome do túnel carpal, e que seja uma das causas da falha
do tratamento da liberação do túnel carpal.

Materiais e Métodos
De fevereiro de 2003 a março de 2006 foram operados 5 SPR. Em 3 casos a paciente já havia sofrido cirurgia prévia para liberação do túnel carpal sem melhora do quadro clínico.

Desses 3 casos, 2 apresentavam eletroneuromiografia (ENMG) mostrando como resultado a síndrome do túnel carpal e 1 com eletroneuromiografia normal, ao exame clínico, em 2 desses pacientes, o sintoma foi mais expressivo no teste de pronação contra resistência no outro na flexão
contra resistência ocorreu maior sintomatologia.

Nos outros 2 casos a ENMG mostrou em 1 caso resultado positivo para SPR e 1 caso com compressão do mediano na arcada dos flexores superficiais dos dedos, esse último caso apresentava no exame de ressonância magnética presença de flexor superficial do indicador acessório com compressão
também do nervo interósseo anterior. Nos testes clínicos desses 2 casos o primeiro apresentava sintomatologia à pronação contra resistência e no segundo ao teste de flexão forçada da interfalangeana proximal do terceiro quirodáctilo e diminuição da força em comparação ao lado contralateral
pelo teste de Kiloh-Nevin.

A técnica cirúrgica consistiu em diérese no antebraço na orientação do nervo mediano de aproximadamente 9 cm por planos com liberação do lacerto fibroso, região intermuscular do pronador e abertura da arcada dos flexores superficiais dos dedos.

A melhora do quadro foi medida com padrão subjetivo 10 melhora total a 0 sem melhora dos sintomas.

Resultados
Todos os pacientes melhoraram dos sintomas compressivos, tendo esses desaparecido em 3 casos e melhorado em 2 ( com melhora para 8 e 7 de 0 a 10). Na análise subjetiva a média da melhora dos sintomas foi de 9 (8-10). Todos os pacientes ficaram satisfeitos com o tratamento. Foram operados 4 mulheres e 1 homem com idade média de 44,8 anos (56 a 30 anos). Um paciente apresentava passagem anômala do nervo mediano pelo pronador, 2 apresentavam compressão entre os ventres musculares do pronador, 1 apresentava tensão exagerada do lacerto fibroso e 1 apresentava musculatura anômala e aumento da tensão da arcada dos flexores superficiais dos dedos.

Conclusão
A conhecida síndrome do pronador redondo é na verdade um conjunto de patologias compressivas do antebraço, que devem ser mais pesquisadas e não apenas acreditar no resultado de eletroneuromiografias. Deve-se tomar cuidado com musculaturas anômalas que podem causar a sintomatologia, para a avaliação prévia adequada o exame de ressonância magnética pode ser de grande valia. Com exame físico adequado e liberação cirúrgica levando em conta a clínica os resultados mostram-se estimuladores.